Domingo
20 de Setembro de 2020 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Notícias

Receba nossa newsletter

Insira seus dados nos campos abaixo.
Nome
Email

Previsão do tempo

Hoje - Brasília, DF

Máx
32ºC
Min
22ºC
Predomínio de

Segunda-feira - Brasília, DF

Máx
32ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

CNMP, por meio da Comissão do Meio Ambiente, assina Acordo de Resultados em Defesa da Amazônia

Nessa quarta-feira, 12 de agosto, o Conselho Nacional do Ministério Público, por meio da Comissão do Meio Ambiente (CMA/CNMP), assinou um Acordo de Resultados em Defesa da Amazônia. O documento também foi firmado pelos procuradores-gerais de Justiça que compõem os estados da Amazônia Legal. A assinatura ocorreu no edifício-sede do Ministério Público do Estado do Pará. O objetivo do acordo é a implementação, em todos os Ministérios Públicos que integram a Amazônia Legal, de mecanismos para a prevenção e o combate ao desmatamento e às queimadas como as forças-tarefas, grupos de atuação especial ou similares. O conselheiro do CNMP e presidente da CMA, Luciano Nunes Maia (foto), representou o presidente do Conselho, Augusto Aras. Além dele, acompanharam o evento o corregedor nacional do Ministério Público, Rinaldo Reis; a membra auxiliar da comissão, Tarcila Britto; a membra colaboradora da Presidência, Fernanda Balbinot; e a assessora de Apoio Institucional do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) junto ao CNMP, Cláudia Andrade. “Nós somos privilegiados por termos em nosso território a maior floresta tropical do mundo e nela residir a maior biopersidade do planeta. Essa biopersidade nos proporciona uma riqueza ambiental inestimável - com grande potencial econômico - se a sua exploração ocorrer em sintonia com o tripé da sustentabilidade, ou seja, com respeito aos aspectos econômicos, sociais e ambientais. Nos últimos anos, os focos de queimadas e desmatamentos da Amazônia, infelizmente, atingiram níveis alarmantes, o que tem gerado grande preocupação a todos nós brasileiros.”, destacou Luciano Maia.  O conselheiro e presidente da CMA complementou que “a Constituição confiou ao MP brasileiro um dos papeis mais importantes na defesa do meio ambiente, para as presentes e futuras gerações, razão pela qual – hoje – a instituição encontra-se aqui reunida, com os representantes ministeriais dos estados Amazônicos, para que possamos honrar essa importantíssima função constitucional, de maneira sistematizada e articulada”. A iniciativa de criação de grupos especializados de atuação nos Ministérios Públicos dos estados que compõem a Amazônia Legal tem o propósito de fortalecer e contribuir para o desenvolvimento de ações estratégicas de competência do Ministério Público brasileiro no combate aos crimes e ações ilegais na região, de ações articuladas com os demais órgãos de defesa da Amazônia e do aprimoramento do diálogo entre as instituições.  O procurador-geral de Justiça do estado do Pará, Gilberto Valente Martins, anfitrião do evento, destacou a preocupação com os problemas que afligem os estados da Amazônia Legal. “A inciativa pioneira de reunir os procuradores-gerais que integram a Amazônia Legal está inserida dentro dos propósitos do CNMP e do CNJ, que se mostram preocupados com os problemas que afligem alguns segmentos do Ministério Público, seja pela localização, características climáticas ou proteção de nossas florestas.” O acordo assinado nessa quarta-feira é uma contribuição para o fortalecimento da atuação dos grupos e forças-tarefas criados com o desenvolvimento de estratégias para maior integração com as forças-tarefas do Ministério Público Federal (MPF) e a realização de oficinas de trabalho e capacitação, em parceria com instituições de ensino, com a Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público de Meio Ambiente (Abrampa) e órgãos e instituições públicas de defesa do meio ambiente. O encontro dos procuradores-gerais da Amazônia Legal contou com a participação do governador do estado do Pará, Helder Barbalho, que destacou a implementação de um Plano Estadual denominado “Amazônia Agora”, que visa ao combate ao desmatamento na Amazônia. “O Plano Estadual ‘Amazônia Agora’ tem como alicerce a fiscalização, mas também coloca no mesmo nível de importância a regularização fundiária, gargalo importante para a Amazônia. Outro ponto estratégico é mudar a lógica do cultivo extensivo em nossa região. Acreditamos que investindo em técnica, mecanização e apoio no melhoramento da terra é possível fortalecer ainda mais os cultivos já vocacionados do nosso território, sem necessidade de derrubar árvores”, disse o governador. Ações do MP/PA no combate ao desmatamento Durante a reunião, o promotor de Justiça José Godofredo dos Santos, coordenador do Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente (Caoma), em conjunto com o pesquisador do Imazon Paulo Henrique Coelho, apresentou as ações estratégicas do Ministério Público do Pará no combate ao desmatamento e às queimadas no estado. Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontam que, de agosto de 2019 a julho de 2020, um total de 8.839 km² de floresta foram desmatados na Amazônia Legal. O Pará foi responsável por 3.670km² do total desse desmatamento, ou seja, 41,5%. A área corresponde a 367.000 hectares de floresta, o equivalente a 367.000 campos de futebol de floresta primária desmatada em corte raso. Nos primeiros dez dias de agosto, o município que mais registrou focos de queimadas foi Altamira. Foram 1.144 focos de queimadas em apenas 10 dias. O município vem seguido de Corumbá, no Mato Grosso do Sul (1.070 focos); Apuí, no Amazonas (830 focos); São Felix do Xingu (701 focos) e Novo Progresso (638 focos), ambos no Pará. “A proporção de desmatamento em nosso estado é muito grande, porém, grande parte dessas áreas desmatadas no Pará são de domínio da União. Por isso, temos uma parceria forte com o MPF”, disse o coordenador do Caoma, José Godofredo dos Santos. Entre as ações do MP/PA de combate ao desmatamento está o termo de cooperação firmado em 2019 com o Imazon que permite ao MP/PA receber atualizações constantes de “Alertas de Desmatamento” apontando as áreas de desmatamento significativo. O Caoma também elaborou recentemente um roteiro de atuação funcional para auxiliar Promotorias de Justiça com atribuição ambiental no combate ao desmatamento irregular e queimadas no Pará.  O roteiro funcional detalha os mecanismos que podem ser utilizados para a apuração do crime ambiental, bem como estimula ações de esclarecimento e sensibilização da população sobre a degradação da floresta. Se a área identificada em desmatamento no Pará for de atuação federal, as informações previamente levantadas são encaminhadas ao MPF, em um trabalho de cooperação interinstitucional. O MP/PA também firmou termo de cooperação com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) para ter acesso a algumas plataformas digitais de controle da Secretaria por parte de técnicos do MP/PA, que receberam treinamento pela própria Semas.  Mais recentemente, o Caoma vem mantendo interlocução com o Projeto de Mapeamento Anual da Cobertura e Uso do Solo no Brasil (MapBiomas). A organização, de forma geral, trabalha com o entendimento da dinâmica do uso do solo. Termo de doação Durante a reunião de procuradores-gerais, os Ministérios Públicos que integram a Amazônia Legal também receberam a doação do equipamento denominado “Sensor de qualidade do ar a laser”, que se destina ao monitoramento da qualidade do ar na Amazônia Legal. O equipamento foi doado pelo Ministério Público do Acre e viabilizado pelo Centro de Pesquisa de Wods Hole, do pesquisador da UFAC, professor Forter Brown. A procuradora-geral do Acre, Kátia Rejane de Araújo, explicou que o aparelho medidor auxilia no monitoramento da fumaça decorrente das queimadas e que qualquer cidadão poderá acessar as informações através da internet. “Com essa doação, os estados do Pará, Amazonas, Rondônia, Amapá, Tocantins, Roraima, Mato Grosso e Maranhão passam a realizar, assim como o Acre já realiza, o monitoramento da ocorrência de queimadas em tempo real, possibilitando o combate a incêndios, por parte dos órgãos de fiscalização e responsabilização”, destacou a procuradora-geral, Kátia Rodrigues. O encontro de procuradores-gerais de Justiça teve a participação de várias outras autoridades, tanto de forma presencial como virtualmente. Entre elas, o desembargador Carlos Vieira Von Adamek, secretário-geral do CNJ; o presidente do Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais de Justiça (CNPG) e procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul, Fabiano Dallazen; a  procuradora-geral de Justiça do Amapá e vice-presidente para região norte do CNPG, Ivana Cei; a procuradora-geral de Justiça do Amazonas, Leda Mara Nascimento; a procuradora-geral de Justiça de Roraima, Janaína Carneiro; e o procurador-chefe do MPF/PA, Alan Rogério Mansur, além de membros do MP/PA e de outros estados. Leia a íntegra do acordo. Veja mais fotos do evento. Leia mais sobre o assunto CNMP, por meio da Comissão do Meio Ambiente, firmará Acordo de Resultados em Defesa da Amazônia Com informações e fotos da Ascom do MP/PA.
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.