Sexta-feira
14 de Agosto de 2020 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Notícias

Receba nossa newsletter

Insira seus dados nos campos abaixo.
Nome
Email

Previsão do tempo

Hoje - Brasília, DF

Máx
29ºC
Min
17ºC
Predomínio de

Sábado - Brasília, DF

Máx
30ºC
Min
17ºC
Predomínio de

DECISÃO: TRF1 mantém decisão que deferiu efeito suspensivo à apelação de sentença em processo da Samarco sobre a barragem de Fundão localizada em Mariana-MG

A Quinta Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), ao julgar agravo interno interposto pela Samarco S/A, manteve a decisão da relatora, desembargadora federal Daniele Maranhão, que deferiu o efeito suspensivo à apelação interposta pelo Ministério Público Federal (MPF) e outros, relativo ao Incidente de Divergência nº 1013613-24.2018.4.01.380, haja vista pergência na interpretação quanto ao alcance das parcelas denominadas Auxílio Financeiro Emergencial (AFE) e lucros cessantes. Segundo a magistrada, a discussão trazida ao Tribunal diz respeito à interpretação do acordo formulado relativamente ao rompimento da barragem de Fundão, em Mariana/MG, em face da pergência de compreensão quanto ao alcance das parcelas denominadas Auxílio Financeiro Emergencial (AFE) e lucros cessantes, notadamente pela interpretação pelo magistrado de origem, que entendeu ser o caso de desconto dos valores em sobreposição pelas coincidências e suas respectivas naturezas jurídicas. A desembargadora afirmou que a questão foi decidida na análise do Agravo de Instrumento 1000940-16.2019.4.01.0000, quando ficou estabelecido que “o pagamento dos lucros cessantes, com previsão para acontecer em 5 de fevereiro de 2019, deve ser concretizado sem qualquer compensação de valores pagos a título de Auxílio Financeiro Emergencial, consoante Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) ”. A relatora salientou que a decisão que deferiu o efeito suspensivo à apelação encontra-se sustentada em duplo fundamento, haja vista a probabilidade do provimento do recurso e do risco de dano grave aos impactados pelo acidente de Mariana/MG em decorrência do rompimento da barragem de Fundão. Para Daniele Maranhão, a interpretação do Termo de Transação e Ajuste de Condutas (TTAC) e do correspondente TAC Governança “remete à compreensão de que houve previsão de obrigações distintas, tratadas em programas diferentes, não sendo viável a dedução dos valores pagos a título de Auxílio Financeiro Emergencial (AFE), previsto na Cláusula 08, “f”, vinculado ao Programa de Auxílio Financeiro Emergencial aos impactados (Pafe), quando do pagamento da indenização anual relativa aos lucros cessantes, prevista na Cláusula 31, pertinente ao Programa de Indenização Mediada (PIM), consideradas de naturezas distintas”. O perigo de dano, destacou a magistrada, se evidencia pela determinação do juízo quanto à possibilidade de dedução das parcelas pagas a título de AFE no pagamento anual dos lucros cessantes, já em janeiro de 2020, o que importaria, não fosse a decisão impugnada, em expressiva redução do valor da indenização a que fazem jus os impactados diretamente pelo acidente, em prejuízo da manutenção dessas famílias e em evidente afronta à imperiosidade de integral reparação, pautada na responsabilidade objetiva e no risco integral intrínsecos da atividade de mineração, causa do dano. Nesses termos, o Colegiado, acompanhando o voto da relatora, negou provimento ao agravo interno. Processo nº 1042844-16.2016.4.01.0000 Data do julgamento: 08/07/2020 JR Assessoria de Comunicação Social Tribunal Regional Federal da 1ª Região  
09/07/2020 (00:00)
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.