Sexta-feira
14 de Agosto de 2020 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Notícias

Receba nossa newsletter

Insira seus dados nos campos abaixo.
Nome
Email

Previsão do tempo

Hoje - Brasília, DF

Máx
29ºC
Min
17ºC
Predomínio de

Sábado - Brasília, DF

Máx
30ºC
Min
17ºC
Predomínio de

INSTITUCIONAL: Uso de depoimentos gravados em ações não presenciais é destaque na SSJ de Teófilo Otoni

A busca para aprimorar os processos de conciliação rural na Justiça Federal da 1ª Região revela como projetos com soluções simples e práticas podem dar maior celeridade ao Sistema de Conciliação. No último dia 19 de junho, em reunião virtual com coordenadores e coordenadores adjuntos dos Centros Judiciários de Conciliação (Cejucs), a coordenadora-geral do Sistema de Conciliação da JF1, desembargadora federal Gilda Sigmaringa Seixas, pôde conhecer um desses projetos. O ajuizamento de ações com depoimentos gravados é um projeto da Subseção Judiciária de Teófilo Otoni, em Minas Gerais, que buscou alternativas para a realização de ações conciliatórias por meios não presenciais e assim evitar a interrupção da prestação jurisdicional durante a pandemia de Covid-19.  De acordo com o juiz federal Lucílio Linhares, ele já havia tido essa experiência em Centros Locais dos estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte quando “nós demos a oportunidade de as partes gravarem diretamente de onde residem as respostas às perguntas que nós fizemos. Instruímos os autos também com fotos da localidade e vídeo”, contou.  Segundo o magistrado, o retorno provocado pela iniciativa foi muito produtivo. O juiz enfatizou que “os advogados das partes manifestaram a vontade de continuar com o procedimento, ajuizando as ações com os depoimentos gravados mesmo após o fim da experiência realizada nessas localidades”.  Essa vontade de continuar o projeto fez a Ordem dos Advogados do Brasil de Minas Gerais (28ª Subseção da OAB-MG) emitir documento parabenizando a Subseção Judiciária pelas alternativas criadas pelo órgão judiciário na realização dos atos não presenciais. Conforme o texto da OAB-MG, “a possibilidade de a própria parte apresentar vídeos gravados com depoimentos das testemunhas, perícias médicas indiretas e outros tem a aprovação da grande maioria dos advogados previdenciaristas”.  O juiz federal Lucílio Linhares destacou a importância do uso dos depoimentos gravados para juízes que muitas vezes não conhecem a realidade do local em que o requerente na ação reside. “A experiência do depoimento gravado foi bastante rica, principalmente para entender qual a realidade da localidade não somente para mim, que acabei de chegar, mas também para outros juízes que muitas vezes, por motivos diferentes, desconhecem a realidade local, além de facilitar a prestação jurisdicional nos tempos da pandemia”, explicou o magistrado. Na mesma reunião, conduzida pela desembargadora Gilda Sigmaringa Seixas, estiveram presentes representantes do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Sobre o reconhecimento do depoimento gravado como prova válida para instrução de benefício de segurados especiais, o procurador-geral federal Frederico Jorge Magalhães Pereira ressaltou que “a equipe especializada em lidar com segurados especiais do Projeto Conciliação Rural já está encaminhando um planejamento para a PGF no sentido de assegurar esse procedimento como prova válida. Nós também queremos estender este sistema para nível regional”. A JF1, neste momento em que o País passa por uma pandemia, está recebendo um grande número de matérias previdenciárias. Para a desembargadora federal Gilda Sigmaringa Seixas, “o que nós esperamos é que o INSS reconheça os depoimentos como prova, porque isso diminuiria consideravelmente a quantidade de pessoas buscando o Judiciário. Nós precisamos realizar um trabalho conjunto que contemple as necessidades de toda a 1ª Região para resolver essa questão e diminuir os custos para o contribuinte”, concluiu a magistrada. Assessoria de Comunicação Social Tribunal Regional Federal da 1ª Região   
09/07/2020 (00:00)
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.